LIVROS

A Vez e a Voz do Popular: Movimentos Sociais e Participação Política no Brasil pós-70

torcidas

Autor: Ana Maria Doimo
ISBN: 85-7316-038-1
Editora: ANPOCS, Relume Dumará
Edição: 1995
Número de páginas:

Sinopse: UMA CRISE DE ESPERANÇA

É com alegria e entusiasmo que apre­sento este instigante trabalho de Ana Maria Doimo. Alegria, por ver um tema de real interesse para a democracia em nosso país — a participação política dos setores populares — ser tratado com tamanha seriedade e competência. Entusiasmo, porque vem preencher uma lacuna de que os movimentos po­pulares se ressentem, pois lhes faltam os elementos necessários para entender a própria crise como condição para supe­rá-la e para resolver os impasses que enfrentam hoje.

A vez e a voz do popular- Movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70 fez jus ao prêmio da ANPOCS como "a melhor tese do ano" de 1994: é de fato uma inestimável contribuição para compreender a rica e complexa ex­periência vivida pelos movimentos so­ciais populares entre os anos 1974 e 1990, analisando profunda e criticamen­te o chamado "processo movimentalis-ta" e estabelecendo as diferenças entre movimentos sociais em geral e "movi­mento popular" a partir da experiência concreta que este movimento viveu no período.

No seu exaustivo trabalho de pesquisa a autora constata, com clareza e de forma isenta, os acertos e equívocos desses movimentos, destacando suas "virtudes" e "ambiguidades", ao mesmo tempo que desmistifica e revê o conceito de movi­mento social, desvelando o caráter am­bíguo que adquire em determinadas conjunturas.

Além da abordagem conceitual que compreende a primeira parte deste li­vro, na segunda parte é analisada a ascenção e a crise do "movimento popu­lar", com base em estudo sobre a evolução de cinco dos principais movi­mentos reivindicativos da época: custo de vida, moradia, desemprego, saúde e transporte coletivo.

A obra demonstra, ainda, que o ciclo reivindicativo pelo qual passaram os movimentos se desdobrou para além do período autoritário, integrando-se ao processo sócio-político, tendo contri­buído, inclusive, para a organização po­lítica dos setores populares como a cria­ção do Partido dos Trabalhadores, da Central dos Movimentos Populares e da Associação Brasileira de ONG(s). A introdução de critérios mais racionais e competitivos na luta social em torno de direitos e na busca de resultados con­cretos, colocou, segundo a autora, no­vas e complexas exigências para os mo­vimentos sociais, levando-os à atual situação de crise. Esta, entretanto, tende a ser superada à medida que esses movi­mentos se lançam na conquista de no­vos mecanismos institucionais de parti­cipação direta e na defesa e ampliação dos seus direitos sociais. Por tudo isto, conclui-se que este livro chega em boa hora e que poderá ser uma fonte de inspiração e estímulo para os movimentos sociais na sua procura de novos caminhos para a ação articuladora da participação de amplas camadas da sociedade, excluídas em todos os sentidos, mas, sobretudo, dos espaços de participação política. O Brasil, como os demais países do mundo, vive, neste final de século, uma profunda crise e esta é antes de tudo uma crise de esperança. E o trabalho de Ana Maria Doimo representa uma con­tribuição valiosa na busca de saídas para essa crise ao reforçar nossa crença na força do povo consciente, organizado e mobilizado em defesa dos seus direitos como sujeito político e protagonista da sua própria história.
Luiza Erundina de Souza

 

Este não é apenas mais um livro que se soma à bibliografia sobre movimentos sociais.
É o resultado de um longo e sério trabalho que deu base a uma tese aprovada com distinção e que oferece uma visão abrangente e inovadora da participação popular e dos movimentos sociais no Brasil entre meados das décadas de70 e 90.
Enfocando os processos de mudança e considerando um amplo conjunto de movimentos sociais, a autora analisa as condições e transformações entre sociedade civil e Estado e identifica claramente os mecanismos pelos quais estes movimentos foram construídos. O estudo inova, especialmente, porque procura descobrir o complexo processo de interação institucional que dá suporte à eclosão e à expansão destas manifestações. Inova, ainda, quando põe a nu o campo ético-político que se estrutura como resultado desta interação.
A contribuição que traz este livro é fundamental para se compreender a mobilização da sociedade brasileira nos últimos vinte anos. Ele representa o esforço teórico e a experiência participativa da autora nos processos que descreve com maestria.
Ruth Corrêa Leite Cardoso